Vida e saúde Pet

Adotei um Pet, e agora? Dicas importantes...


Compartilhe:

Por: Débora Lemes Silva / Médica Veterinária - CRMV/RS 9994


Quando resolvemos adotar, ou comprar um bichinho de estimação, seja ele qual for, precisamos ter a certeza que estamos preparados para assumir uma responsabilidade, pois seremos os tutores desses pets e devemos zelar pelo bem-estar dos mesmos.

Antes de qualquer coisa, é necessário estudar algumas questões como: qual espécie escolher, qual tamanho será mais apropriado ao estilo de vida da família, vai viver solto ou preso, tenho tempo para dedicar aos seus cuidados.

Esta escolha deverá levar em conta o estilo de vida de cada um. Eu moro em apartamento e não tenho pátio, então vou escolher uma raça que se adapte melhor em ambientes fechados. Não quero ter muito trabalho para dar banho, escovar, manter sua higiene, então vou escolher uma raça com pelagem curta, pois assim será mais fácil mantê-lo sempre limpinho. Não tenho muito tempo ou paciência para educar sobre a questão das necessidades serem feitas em local correto, talvez seja melhor ter um felino, que se acostuma com a caixa de areia mais rápido e aprende quase que sozinho. Tenho pátio, quero um amigo que ajude na segurança da casa, posso ter uma raça de porte maior que exige mais espaço e que vai efetuar muito bem a tarefa de “segurança” depois de ser treinado, é claro.

Depois de ter respondido a essas questões e ter escolhido seu pet, será necessário tomar algumas providências imediatas.

Caso o bichinho seja adquirido em canis ou lojas do ramo, certifique-se sobre a procedência, se possível conheça os pais do filhote, solicite a carteira de vacinação que deverá conter, dependendo da idade, a data que foi realizada a vermifugação e a vacinação, bem como a marca (etiqueta) da vacina e assinatura do Médico Veterinário que realizou estes procedimentos. Mas, se você resolveu adotar um filhote ou um adulto em alguma ONG, canil municipal, de algum conhecido, vizinho, ou ainda, retirou da rua, você deve levá-lo imediatamente ao Veterinário de sua escolha para que seja examinado e para tomar as medidas adequadas de prevenção e tratamento das verminoses, bem como a imunização recomendada para cada situação, além de esclarecer outras dúvidas pertinentes.

Por fim, devemos saber que eles possuem necessidades diárias como todo ser vivo, ou seja: alimentação, água, conforto térmico, espaço, higiene e interação com outras pessoas e outros animais. Nunca devemos isolar um pet, ele necessita de convivência para que sejam evitados problemas futuros de agressividade e intolerância com outras pessoas e com outros animais. Devemos educá-los para que o convívio seja harmônico e feliz.